Mandato da Vereadora Soninha Francine

BlogHome

Ficção Orçamentária

18 de outubro de 2017

IMPRESSIONANTE

a dificuldade que as pessoas têm – público em geral e até mesmo aqueles que acompanham mais de perto as políticas públicas – para entender o que é “ficção orçamentária”. Todo mundo reclama dela, mas nao tem paciência para ouvir, pesquisar e perceber.

Dificilmente um orçamento é executado “perfeitamente”, porque sempre há imprevistos: despesas extraordinárias (catástrofes, por ex) e quedas de receita. Mas a “ficção” é de outra natureza. É mentir.

Uma mentira demagógica é aumentar artificialmente a Receita. Governos anunciam números fabulosos: “5 bi para Moradia Popular”; “20 bi para obras de infraestrutura”. Só que não tem o dinheiro de verdade!!!! É uma previsão irresponsável (porque é apenas uma torcida, um sonho) ou intencionalmente desonesta, quando se sabe, com toda certeza, que a Receita NÃO VAI se realizar.

Por conta de ficções dessa natureza é que se afirma, por exemplo, que o orçamento da Cultura “diminuiu muito”.

Vejamos:

Para o ano de 2016, o orçamento aprovado para a Secretaria Municipal de Cultura foi de R$501 milhões. Sabe quanto foi gasto? R$349 milhões. Para 2017, o previsto foi de R$ 518 milhões. A Execução total, só saberemos em dezembro.

O orçamento previsto para 2018 é de R$436 milhões. Muito menor do que nos últimos anos? Só se comparar com a parte da mentira. Este orçamento do ano que vem é muito maior do que o que foi realmente realizado. Mas quando eu disse isso na Audiência Publica, para afirmar pela décima vez que o orçamento de meio milhão de reais para Cultura nunca existiu, tive de ouvir que estou “passando pano para quem me demitiu”.

Aliás, os representantes da Cultura aqui presentes de queixam muito da “falta de diálogo “, mas a gente os escuta muito. Estão sempre presentes, organizados e ativos. Têm Comitê Especial, SubComissão específica, fora a Comissão Permanente, e acompanham de perto todas as outras Comissões. Difícil mesmo é eles escutarem. Nenhuma fala foi interrompida, a não ser a minha – aos gritos.

Dizem muito que não são partidários, mas sua cobrança nunca tem o mesmo peso. Se dizem “ESTA gestão esta destruindo os parques” e eu digo “ja foram destruídos nos últimos anos” (e demonstro), é porque sou “governista”, puxa-saco… Quando mostro que o gasto com OSs aumentou MUITO na gestão Haddad (e o problema é que ele jurou que ia acabar com elas), entra por um ouvido e sai pelo outro. Continuam falando que Haddad era contra a terceirização de serviços e contra OSs.

Sonho com o dia em que as pessoas concordem ou discordem do que outros pensam de verdade; que elogiem ou critiquem o que foi feito e o que não foi feito de verdade.

CompartilharShare on FacebookTweet about this on Twitter

Last modified: 18 de outubro de 2017

Comments are closed.

X