Mandato da Vereadora Soninha Francine

Sempre desconfie – Sobre robôs e apoios falsos.

27 de agosto de 2018

Sobre robôs e apoios falsos:

Ser contratado para falar bem de um candidato, mesmo sem acreditar nisso, é mais velho que andar pra frente. Na MTV, essa discussão (acaloradíssima!) na “padaria” Real (é lanchonete, mas a gente pra sempre vai chamar de padaria) inspirou o primeiro de todos os Barracos MTV, que teve o tema “Topa tudo por dinheiro”?

Quando chegava o período eleitoral, vários profissionais se licenciavam ou até mesmo pediam demissão porque iam trabalhar em campanha. Valia a pena, porque campanha pagava MUITO bem. Em três meses, o salário de um ano ou mais. Aí a gente questionava: “Meu, você vai trabalhar na campanha DO MALUF???”.

Alguns diziam “é um trabalho como qualquer outro”; “se eu não aceitar, outro vai fazer”; “eu sou só o editor de imagem”. Outros juravam que não aceitariam função nenhuma por dinheiro nenhum do mundo.

Artistas famosos ou não decoraram textos dizendo o quanto tal candidato seria bom para o país, ou deram depoimentos “espontâneos” falando “fulano fez muito por mim”. E tem gente que faz isso na rua, na Associação de Bairro – basta contratar que vão pedir voto para um candidato, ou praticamente mandar as pessoas votar nele porque “está nos ajudando”.

No Face e no Tuíter, é a mesma coisa x 1.000.

A pessoa finge que é uma professora, comerciante, agricultora, empresária, designer. E defende, com toda sinceridade fake, o candidato ou partido que a contratou.

Como resolver essa praga? Dá pra dificultar a marcha do exército de gente que não existe? Em termos de legislação, poderia ser mais explícita a obrigação de informar “aqui tem dinheiro de campanha”. Colocar um asterisco no perfil, sei lá, sob pena de tomar uma multa colossal caso se constate que o autor das postagens está sob contrato de alguma campanha.

Acontece que é muito fácil driblar… Ocultar a origem dos recursos… Alguém contrata uma empresa que contrata outra que contrata frilas para dizer “Lula Livre”, “Bolsomito é o cara” etc. e tal.

O único jeito das pessoas não acreditarem em qualquer coisa que leem é enfatizar, por todos os meios, que devem “desconfiar” sempre, isto é, não se deixar levar pela opinião de alguém, por mais legal que a pessoa lhe pareça (ou mais “sério” o meio de comunicação), e sim buscar muitas e mui variadas fontes de informação antes de jurar que é verdade e sair propagando.

Leia sempre, assista sempre, escute sempre o noticiário, debates, postagens etc com um “será? quem disse? é isso mesmo que diz a lei/ o candidato/ o ministro?” na cabeça.

CompartilharShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Last modified: 27 de agosto de 2018

Comments are closed.

X