Mandato da Vereadora Soninha Francine

Comitê de Chuvas e Enchentes ouve secretário municipal das Subs

4 de abril de 2019

Durante reunião do Comitê Extraordinário de Chuvas e Enchentes da Câmara Municipal de São Paulo, realizada nesta quinta-feira, o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi de Andrade, prestou esclarecimentos sobre a atuação da pasta frente às fortes chuvas registradas na capital, nos dias 10 e 11 de março.

Questionado sobre o aumento dos pontos de alagamentos (de 238, em 2018, para 700, neste ano), Modonezi reforçou a explicação dada na semana anterior pelo presidente da AMLURB (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana), Edson Tomaz de Lima Filho.

“A limpeza foi realizada, como apresentado no Plano Verão 2018/2019. Mas a quantidade de chuvas concentradas em 2019 foi muito maior do que no ano anterior. E justamente essa inconstância não pode ser prevista”

Ao comentar o trabalho preventivo realizado pelas subprefeituras, o secretário ressaltou a “extensiva limpeza” de bueiros e bocas-de-lobo, realizada durante todo o ano. E sinalizou que a solução efetiva para as enchentes é estrutural.

“A resolução definitiva deste problema se dará através das grandes obras de infraestrutura, como piscinões, córregos e galerias”

Outro ponto destacado por Modonezi foi o descarte irregular de entulhos. Apesar dos 1,6 mil pontos disponibilizados pela prefeitura, disse o secretário, a cidade enfrenta dificuldades para coibir o descarte irregular, principalmente nas áreas limítrofes do município.

“Temos esse problema com as caçambas e caminhões, que eu considero um crime ambiental. Temos trabalhado para aumentar a fiscalização, para que essa prática seja coibida”

Durante a reunião foram aprovados dois requerimentos convidando para prestar esclarecimentos o diretor de gestão e serviços da AMLURB, Evaldo Azevedo, e os presidentes das empresas Soma e Inova, que atuam na limpeza urbana e varrição pública na capital. A Comissão busca informações a respeito de uma reportagem veiculada na imprensa, segundo a qual foram canceladas 11.561 multas (72% de um total de 15.694 penalidades).

As multas foram aplicadas às empresas responsáveis pela limpeza e varrição por descumprimento de obrigações na prestação dos serviços contratados junto à Prefeitura. A matéria jornalística afirma que, com o cancelamento, cerca de R$ 9 milhões de reais deixaram de entrar nos cofres públicos.

Também foram aprovados três requerimentos solicitando informações a diferentes órgãos municipais sobre a situação das ATTs (Áreas de Transbordo e Triagem) da cidade.

Para a relatora do comitê, vereadora Soninha, a participação dos convidados é importante para a análise do problema e a formulação de propostas para as enchentes.

“Quanto mais conhecemos os vários lados envolvidos em um problema, mais condições temos de fazer propostas saneadoras. Sabemos os problemas quanto à qualidade do serviço prestado, mas pode ser que as empresas também tenham informações pertinentes sobre as dificuldades que elas enfrentam”

A próxima reunião do Comitê Extraordinário de Chuvas e Enchentes está marcada para quinta-feira (11/4), a partir das 13h, no Plenário da Câmara Municipal de São Paulo.

CompartilharShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Last modified: 4 de abril de 2019

Comments are closed.

X