Mandato da Vereadora Soninha Francine

#BlackoutTuesday – por Soninha Francine

2 de junho de 2020

Pense nas vezes em que você se sentiu péssima porque foi mal recebida, mal tratada, desprezada, menosprezada, vítima de desconfiança. Te olharam torto, te evitaram, ignoraram. Viraram os olhos, torceram a boca, franziram o nariz. Ou olharam com condescendência, como se fosse “bonitinho” você estar ali, mesmo não sendo exatamente o seu lugar.

Você foi a uma entrevista de emprego mas “não era pra você”.

Você chegou em um carro considerado “inferior” e olhada com desdém.

Você chegou em um carro bacana e acharam estranho.

Você era muito mais jovem ou muito mais velha do que os presentes, que riram da sua cara sem disfarçar muito.

Você foi a uma festa com a “roupa errada”.

Você chegou no evento mas seu nome “não está na lista”.

Você não passou na porta giratória do banco, mas não tinha nada que as pessoas que entraram direto não tivessem também.

Você foi a uma reunião mas olharam seu crachá, seu cartão de visita e olharam para sua cara sem acreditar que você tinha o direito de participar.

Você foi ao supermercado e quiseram conferir em detalhes a sua compra, pra saber se não estava levando nada sem pagar.

Você foi seguida em uma exposição porque tinham medo de que você fosse estragar alguma coisa.

Você sai do shopping e querem olhar sua bolsa.

Você foi impedida de usar um banheiro porque aquele era “exclusivo para xyz”.

A vendedora não quis te atender porque achou que você não tinha dinheiro para comprar nada ali.

O garçom não te levou a uma mesa porque você deve ter se enganado de restaurante.

A recepcionista perguntou “Vai falar com QUEM?”, porque não acredita que você tem compromisso com alguém da diretoria.

Você chega perto da pessoa e ela agarra a bolsa com mais força.

Você passa perto de um carro e o motorista sobe o vidro correndo.

Você tenta entrar numa conversa e é ostensivamente excluída.

Você toca em alguns objetos que são desinfetados depois.

Você é a última pessoa a ser atendida no balcão.

Alguém diz “não tem vaga”, mas você sabe que tem.

Se você passou por uma ou mais das experiências acima, sabe como é horrível. Humilhante, deprimente, irritante. Como a gente fica se sentindo mal por muito tempo depois.

Se você passou por todas essas experiências várias vezes, ou quase todo dia, você é negra. Preta, parda, “escurinha”, “morena”, “neguinha”, “negona”, “de cor”.

Se você tem pavor de polícia; se sua família e amigos já tomaram vários enquadros aleatórios e mal justificados; se você reza para não acharem que você fez ou está fazendo algo errado porque é isso que basta para você se f.der… Negra. Negro. Preta. Preto. Suspeita, suspeito.

Que pesadelo infernal. Isso não vai ter fim?

(VAI).

#BlackoutTuesday

 

(Por Soninha Francine)

CompartilharShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Last modified: 2 de junho de 2020

Comments are closed.

X