Mandato da Vereadora Soninha Francine

BlogHome

O vice do Bruno Covas – por Soninha Francine

23 de novembro de 2020

 

Começando pelos pontos negativos do Ricardo Nunes rs:
Eu não sabia quase nada sobre ele antes de me eleger vereadora em 2016. Sabia apenas que era um vereador típico de “território”, perfil conservador etc. Não nutria a menor das simpatias.
Calhou de eu trabalhar muito próxima a ele na Comissão de Finanças. Depois de alguns estranhamentos, me surpreendi. Um vereador “técnico”, com trabalho cuidadoso, qualificado. Entre todos os relatores que tivemos do orçamento nos últimos anos, sem dúvida ele fez o trabalho mais caprichado.
Continuamos com divergências – temática LGBT, por exemplo, é sem acordo… Mas sem desrespeito também.
Durante a campanha, começaram as acusações. Uma delas é “velha”: a história das creches conveniadas. Te digo que fiquei muito puta com as matérias de pagina inteira da Folha “requentando” histórias passadas, de maneira desleixada, equivocada, e centrando as acusações nele. “Máfia das creches”, “máfia das ONGs” e outras expressões parecidas são frequentemente utilizadas de maneira injusta, em narrativas forçadas. Sim, Ricardo Nunes é ligado a uma entidade social que é parceira da prefeitura em muitos serviços conveniados. E?? Todo vereador tem ligações com entidades sociais, oras bolas. Faz parte da nossa ação política. Isso em si não prova desvios e má conduta, mas é sempre tratado como “suspeito”. Aliás… São muitos os vereadores de vários partidos que são frequentemente “embolados” nessa história da “máfia”, e é preciso examinar caso a caso! (Coisa que a Folha e outros jornais não fizeram…).
Finalmente, veio a história mais sensível, da agressão contra a esposa. Fiquei passada, fui ver o que tinha acontecido. Sinceramente, não enxerguei ali o perfil de um “agressor” – aquele sujeito machista, violento, folgado, reiterado, “convicto”. Vi, nos relatos dos Boletins de Ocorrência, um fim de relacionamento “c*agado” – como eu já tive vários… Já perdi o respeito, já falei e ouvi coisas medonhas. Já gritei e dei escândalo. Já cuspiram na minha cara e me chamaram de vagabunda na frente das minhas filhas. Nunca pensei que fosse passar por coisas assim, mas já tive meus maus momentos, de novela mexicana. Já fiz BO contra companheiro. E foi isso que vi nos relatos dele e da esposa… Vivências terríveis de um ser humano, não uma prática criminosa baseada em conceitos de inferioridade e submissão.
Enfim…
Tenho essa mania de ponderar tudo de tudo; de “dar uma chance” às pessoas; de olhar meus erros, problemas e loucuras como parâmetro para olhar os erros dos outros. Acho que a grande pergunta é: Ricardo Nunes é um mau caráter? Sinceramente, eu acho que NÃO. E eu não deixaria de reconduzir o Bruno Covas à prefeitura por causa dele…
Enfim, essa é uma resposta 100% pessoal, sem nenhum caráter partidário 🙂

CompartilharShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Last modified: 23 de novembro de 2020

Comments are closed.

X